Nova Mutum

day_122.png
25 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

25 de Julho de 2024

Economia Quinta-feira, 27 de Junho de 2024, 08:34 - A | A

27 de Junho de 2024, 08h:34 - A | A

Economia / ECONOMIA

Regras rígidas podem elevar o valor das contas de energia

João Freitas/Gazeta Digital



Publicação de decreto com diretrizes mais rígidas para renovação de concessões das distribuidoras pode encarecer conta de luz. De acordo com especialistas, a medida adotada pelo Governo Federal deve elevar a qualidade dos serviços de fornecimento de energia.

Por outro lado, a tendência é que as exigências aumentem os custos operacionais para as empresas, o que, fatalmente, acabaria estourando para o consumidor na ponta. As novas regras ainda serão analisadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) dentro do prazo de seis meses.

“Os novos contratos serão mais modernos e as empresas deverão garantir a capacidade real de prestar o serviço. A qualidade será medida efetivamente pelo serviço prestado ao consumidor. Desligamentos demorados e longas esperas nos call centers não são mais tolerados”, disse o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.

Na visão do engenheiro eletricista Teomar Magri, a normativa é positiva e faz com que as regras sejam claras e mais estruturadas. “A partir daí as empresas terão a obrigação de apresentar um plano de investimentos para a Aneel a cada ciclo tarifário para atender estas metas. Como o modelo tarifário em vigor remunera os investimentos via tarifa, a agência deverá avaliar estes planos sempre olhando o equilíbrio entre os dois lados da concessão: consumidores e empresas”, pondera o especialista.

Regras mais rigorosas Ao todo, são 17 diretrizes impostas pelo Ministério de Minas e Energia. Entre elas está a limitação da distribuição de dividendos em, no mínimo, 25% para as companhias que não cumprirem critérios técnicos e econômicos. Por outro lado, a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica ( Abradee ) destaca, por meio de nota, que o corte na distribuição de dividendos pode afrontar as bases legais que sustentam o fluxo de investimentos na economia e afastar investimentos.

As distribuidoras também terão metas obrigatórias para a retomada de serviços em caso de eventos climáticos extremos com a finalidade de evitar que os consumidores fiquem sem eletricidade por longos períodos em razão de fenômenos como chuvas, vendavais e quedas de árvores nas redes.

Outra normativa é que o índice de satisfação dos consumidores passará a ser um indicador de avaliação das distribuidoras junto à Aneel. Atualmente, a agência realiza pesquisas de satisfação junto aos clientes, mas os resultados não são considerados na avaliação do órgão regulador.

Comente esta notícia

cd0fb6c3112b42f4ac7db47ed2ff7af9_2.png
whatsapp-icon-4.png (65) 9 9280-9853