Nova Mutum

day_122.png
24 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

24 de Julho de 2024

GERAL Sexta-feira, 21 de Junho de 2024, 13:50 - A | A

21 de Junho de 2024, 13h:50 - A | A

GERAL / RÉU POR FEMINICÍDIO

Juíza determina transferência de Carlinhos Bezerra à Penitenciária Central

Na PCE, o empresário será submetido a avaliação médica para confirmar necessidade de procedimentos cirúrgicos

Raynna Nicolas/Hiper Noticias



O empresário Carlos Alberto Gomes Bezerra, o 'Carlinhos' Bezerra, foi transferido para a Penitenciária Central do Estado (PCE). Ele estava segregado na penitenciária Ahamenon Lemon Dantas, em Várzea Grande, e pleiteava o relaxamento da preventiva devido à falta de estrutura médica no local, ocasionando, inclusive, decisão judicial que determinou a avaliação do estado de saúde dele. Ordem que determinou a mudança para PCE foi emanada pela juíza Ana Graziela Vaz de Campos Alves Corrêa, da 1ª Vara de Violência Doméstica, no dia 17 de junho.

Decisão foi ao encontro de parecer do Ministério Público que salientou que a própria defesa de Carlinhos Bezerra havia pleiteado sua permanência no Ahamenon Lemon Dantas na ocasião em que o réu pelos homicídios de Thays Machado e Willian Moreno teve a prisão domiciliar revogada. 

Citaram ainda que, embora o empresário tenha sido colocado em unidade prisional que se encontra sem efetivo médico, a realidade da penitenciária não representa a totalidade do sistema. Nesse sentido, outros presídios, sobretudo os regionais, como é o caso da PCE poderiam oferecer a estrutura adequada para Carlos Alberto Bezerra. 

Considerando a necessidade de avaliação de junta médica para confirmar a imprescindibilidade da submissão do empresário a procedimentos cirúrgicos, a juíza Ana Graziela Vaz de Campos Alves Corrêa acolheu a sugestão do MP e determinou a transferência do réu à PCE. 

Laudo médico confirmando ou não a necessidade de cirurgias oftalmológica e vascular deve ser acostado pela gestão da PCE aos autos dentro de 20 dias. Caso sejam confirmadas as indicações cirurgicas, a unidade também deve esclarecer  se tais cirurgias podem ser realizadas dentro da estrutura posta a serviço do sistema prisional ou se há necessidade de que sejam realizadas em clínicas independentes ou hospitais.

Comente esta notícia

cd0fb6c3112b42f4ac7db47ed2ff7af9_2.png
whatsapp-icon-4.png (65) 9 9280-9853