Nova Mutum

day_122.png
14 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

14 de Junho de 2024

GERAL Quarta-feira, 21 de Dezembro de 2022, 23:12 - A | A

21 de Dezembro de 2022, 23h:12 - A | A

GERAL / ASSASSINATO DE ADVOGADO

Tribunal nega soltar mulher acusada de mandar matar o marido

Midia News



O Tribunal de Justiça negou habeas corpus e manteve a prisão de Carla Fernanda Toloi Ferreira da Costa, suspeita de mandar matar o marido, o advogado e servidor público de Tangará da Serra, Edson Vicente da Costa.

O crime ocorreu em novembro de 2020 e provocou grande repercussão na cidade. Edson foi atingido por diversos disparos no momento em que chegava em casa.

Carla foi presa em junho do ano passado, junto com Anderson Fabiano, seu suposto amante e acusado de ter cometido o crime a mando dela.

A decisão, da 1ª Câmara Criminal do TJ, foi publicada nesta quarta-feira (21). Os desembargadores seguiram por unanimidade o voto do relator, Orlando Perri.

No habeas corpus, a defesa de Carla alegou que ela é ré primária, possui família no distrito da culpa e tem ocupação lícita “inexiste qualquer fato que justifique a permanência da mesma no cárcere, sobretudo porque não criou nenhum prejuízo para o desenrolar da marcha processual”.

No voto, o relator fez menção à decisão de primeiro grau, que também negou soltá-la por entender que a suposta existência de condições pessoais favoráveis - tais como primariedade, bons antecedentes, ocupação lícita e residência fixa - não têm o poder de, por si sós, reverter a prisão.

Além disso, o juiz da primeira instância ressaltou a “periculosidade” da suspeita que agiu, conforme a decisão, com “premeditação” e “frieza”.

“Assim, verifica-se que a autoridade coatora, ao indeferir o pedido supracitado, reportou-se aos fundamentos idôneos da decisão que decretou a medida extrema no tocante à garantia da ordem pública, a qual, repito, teve a sua legalidade reconhecida tanto por esta Câmara Criminal quanto pelo STJ”, escreveu Perri.

“Nesse diapasão, não ficou demonstrada a manifesta ilegalidade da conservação da custódia preventiva da paciente. Com essas considerações, conheço da impetração, mas denego a ordem, em consonância com o parecer ministerial”, votou.

O crime

De acordo com as investigações, Carla Fernanda era casada Edson Vicente, mas mantinha um relacionamento extraconjugal com o Anderson Fabiano.

O inquérito concluiu que Carla e Anderson planejaram o crime para que pudessem ficar juntos e com o patrimônio pertencente à vítima, como a casa, carro, motocicleta, seguro de vida, pensão etc.

Ainda conforme as investigações, foi Carla quem deu o dinheiro para que Anderson comprasse arma utilizada no crime.

Edson morreu no dia 6 de novembro de 2020. Ele chegava em casa e foi surpreendido pelo assassino, que desferiu diversos disparos, atingindo-o na região da cabeça, abdômen, costas e braços.

O autor dos disparos fugiu levando sua moto, o que fez a Polícia Civil acreditar, em princípio, que se tratava de latrocínio. 

Vizinhos acionaram o Samu, que encaminhou Edson para o hospital, mas ele não resistiu.

 

Comente esta notícia

cd0fb6c3112b42f4ac7db47ed2ff7af9_2.png
whatsapp-icon-4.png (65) 9 9280-9853