Nova Mutum

day_122.png
25 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

25 de Julho de 2024

Polícia Sexta-feira, 28 de Junho de 2024, 08:24 - A | A

28 de Junho de 2024, 08h:24 - A | A

Polícia / DECRETADA 'CAÇADA'

Morte de sargento completa 1 mês e suspeito ainda não foi encontrado

Ana Júlia Pereira - GD
Cuiabá/MT



Há exatos um mês, o sargento da Polícia Militar Odenil Alves foi morto com um tiro cabeça, em frente a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), na Morada do Ouro, em Cuiabá. 30 dias após a execução, o paradeiro do principal suspeito ainda é desconhecida.

Passava das 15h quando o sargento que prestava serviço extraordinário na UPA decidiu atravessar a rua para fazer um lanche. Poucos minutos depois, o suspeito, que estava em uma Pop se aproxima da vítima, desce da moto, atravessa a rua, atira contra o servidor, rouba sua arma e foge.

Ele foi socorrido em estado gravíssimo ao Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), mas não resistiu e morreu por volta das 20h30.

No mesmo dia, o comandante da Polícia Militar, coronel Alexandre Mendes, emitiu nota de repúdio pelo ataque ao servidor e determinou uma verdadeira "caçada" ao criminoso.

Somente na noite da quarta-feira (29), que Raffael Amorim, 28, foi identificado como autor dos disparos que matou o sargento. O veículo e os pertences do suspeito foram apreendidos em um endereço na rua Paraná, do bairro CPA 2, onde o autor do homicídio do policial abandonou os materiais logo após cometer o crime.

No dia 3 de junho, o secretário de Estado de Segurança Pública, César Augusto Roveri, afirmou em entrevista coletiva que o crime estava próximo de ser solucionado, garantindo que as forças policias estavam próximas de localizar o atirador.

Para auxiliar na busca, o governo de Mato Grosso ofereceu uma recompensa de R$ 10 mil para pessoas que fornecerem informações concretas sobre a localização de Raffael. Devido ao valor alto, a Segurança Pública de Mato Grosso (Sesp) recebeu uma enxurrada de informações desencontradas.

Na noite do domingo (9), um homem responsável por ajudar na fuga de Raffael Amorim, foi preso no bairro Novo Paraíso, em Cuiabá. Ele tentou fugir a pé, e foi apreendido 4 quarteirões depois. Questionado, ele disse que havia fugido, pois achava que estava sendo investigado por dar suporte ao responsável pela morte do policial.

Ainda segundo ele, por ser faccionado, recebeu ordem do seu líder para buscar Raffael e o deixar em uma região de chácara no bairro Nova Conquista, após isso não sabe mais nada sobre o criminoso.

Ainda no domingo, 3 criminosos envolvidos no crime foram mortos em confronto com a polícia, no município de Sinop (503 km de Cuiabá).

Já na tarde da quarta-feira (12), o suspeito foi localizado no apartamento da irmã dele, no Bairro Izabel de Campos, em Várzea Grande. Ao avistar as viaturas, o suspeito fugiu para dentro da mata e não foi mais visto. As buscas ainda continuam.

Foi só no dia 13 de junho que o Delegado Rodrigo Azem descartou um possível envolvimento de facção no crime e que a tese mais forte em que a polícia trabalha, é de que o assassinato do militar tenha sido por latrocínio, o qual é o roubo seguido de morte.

Fato é que 30 dias depois, com o governo, o comandante e o coronel de olho no caso, o principal suspeito ainda não foi localizado e preso.

Comente esta notícia

cd0fb6c3112b42f4ac7db47ed2ff7af9_2.png
whatsapp-icon-4.png (65) 9 9280-9853