Nova Mutum

day_122.png
14 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

14 de Julho de 2024

Polícia Segunda-feira, 01 de Julho de 2024, 17:19 - A | A

01 de Julho de 2024, 17h:19 - A | A

Polícia / POLÍCIA CIVIL

Mulher procurada por tortura infantil tem prisão cumprida em Sinop

A suspeita estava com a prisão preventiva decretada pela Justiça da Comarca de Chapada dos Guimarães

Assessoria | Polícia Civil-MT
Sinop/MT



A mulher procurada por tortura infantil, praticada contra o sobrinho de 6 anos, teve o mandado de prisão cumprido pela Polícia Civil, nesta segunda-feira (01.07), ao se apresentar acompanhada de seu advogado, na Delegacia de Sinop (500 km ao norte de Cuiabá).

A foragida de 28 anos teve a ordem de prisão preventiva expedida pela Comarca de  Chapada dos Guimarães (67 km de Cuiabá), na quinta-feira (27.06) 

Em seu depoimento, a investigada negou o crime e acusou o marido de ter torturado o sobrinho, bem como negou ter conhecimento dos hematomas encontrados no corpo da vítima. Ela alegou que a criança foi adotada pelo casal, pois a mãe era usuária de drogas e não tinha condição de cuidar do filho.

O crime ocorreu em uma fazenda no município de Planalto da Serra (273 km de Cuiabá) e veio a público, após o Conselho Tutelar receber denúncia de maus-tratos dos tios contra o sobrinho que havia sido adotado desde os três meses de idade.

A equipe do Conselho Tutelar foi até a fazenda e encontrou a criança com vários hematomas e lesões pelo corpo. Conforme testemunhas, a vítima era colocada de joelhos, por horas, em cima de pedras e grãos de milho, além de sofrer espancamentos frequentes.

O marido da mulher foi preso em flagrante no último dia 26 de junho.

Durante as investigações e diante dos indícios colhidos, o delegado de Chapada dos Guimarães, Eugênio Rudy Júnior, representou pelos mandados de prisão preventiva do casal, que foram deferidos pela Justiça. 

O delegado de Sinop, Sérgio Arruda, destacou a importância na agilidade das investigações conduzidas e orientou quanto aos cuidados que os pais devem tomar para que as correções das crianças não se tornem crime.

“Procure profissionais da saúde ou até mesmo o CAPS que podem ajudar os pais a corrigir os filhos sem necessidade de violência física”, disse o delegado.

Comente esta notícia

cd0fb6c3112b42f4ac7db47ed2ff7af9_2.png
whatsapp-icon-4.png (65) 9 9280-9853