Nova Mutum

day_122.png
15 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

15 de Junho de 2024

Política Domingo, 09 de Junho de 2024, 15:37 - A | A

09 de Junho de 2024, 15h:37 - A | A

Política / ASSUNTO POLÊMICO

Senadores de MT discordam de PEC que pode "privatizar" praias no Brasil

Allan Mesquita/Gazeta Digital



Senadores de Mato Grosso são contra a Proposta de Emenda à Constituição que pode "privatizar" áreas à beira-mar que, atualmente, pertencem à União. O texto que pretende mudar a Constituição vem gerando polêmica no Congresso Nacional e críticas por parte da população e ambientalista.

A senadora Margareth Buzetti (PSD) disse ser contra a proposta, se o texto realmente tratar do “privatização” das unidades. “Como a PEC ainda nem foi pautada na CCJ, não conheço a íntegra da proposta. Mas, da forma que vem sendo veiculado, de que ela daria a possibilidade para que praias sejam privatizadas, ou que acesso às orlas seja fechado para o setor privado, sou contra. Mas, como não sou nem membro da CCJ, devo participar dessa discussão quando ela for a plenário”, disse.

Já o senador Jayme (União) não vê a medida como uma privatização e pontuou que os parlamentares não seriam “irresponsáveis” para aprovar qualquer medida nesse sentido. Ele ainda destacou que o texto sequer passou pela Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e ainda deve ser amplamente discutido antes de ir para o plenário.

“Não é querer privatizar coisa alguma, o que se propõe é vender algumas áreas que hoje não estão sendo utilizadas para nada. Ninguém é irresponsável para fazer uma PEC para privatizar e que amanhã ou depois essa área fique para algum hotel ou moradia privada”, disse.

A reportagem tentou contato com o senador Wellington Fagundes (PL), por telefone e via assessoria de imprensa, para que o parlamentar pudesse comentar sobre o assunto, mas não obteve retorno.

Ministério da Gestão e Inovação (MGI)

PEC das Praias

 

Privatização

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 3 de 2022 trata das áreas à beira-mar que são chamadas de terrenos de marinha. Correspondem a uma faixa que começa 33 metros depois do ponto mais alto que a maré atinge. Ou seja, esses terrenos não abrangem a praia e o mar, região geralmente frequentada pelos banhistas. Essa parte continuaria pública. Os terrenos de marinha correspondem a uma camada afastada da areia, onde ficam geralmente hotéis e bares.


O relator da proposta, senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), afirma que a “privatização é uma grande mentira”. O texto já foi discutido em uma audiência pública no Senado, mas está longe de ser analisado por comissões e pelo plenário da Casa.

Na prática, a mudança prevê a autorização para a venda dos terrenos de marinha a empresas e pessoas que já estejam ocupando a área. Pelo projeto, os lotes deixariam de ser compartilhados, entre o governo e quem os ocupa atualmente, e teriam apenas um dono, como um hotel ou resort.

Não há, no texto da proposta, nenhuma menção explícita à privatização das praias brasileiras, de fato. No entanto, uma das consequências diretas das mudanças da PEC é justamente a possibilidade de privatizar o acesso às praias.

Comente esta notícia

cd0fb6c3112b42f4ac7db47ed2ff7af9_2.png
whatsapp-icon-4.png (65) 9 9280-9853