Nova Mutum

day_122.png
24 de Julho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

24 de Julho de 2024

GERAL Quinta-feira, 20 de Junho de 2024, 11:51 - A | A

20 de Junho de 2024, 11h:51 - A | A

GERAL / GERAL

Estudo aponta que Pantanal é o bioma que mais sofreu com incêndios em quatro décadas

Nessa semana, o governo do estado proibiu o uso de fogo para limpeza e manejo em áreas do bioma. A norma vale até o fim do ano.

Por Eunice Ramos, g1 MT



Um estudo realizado pelo MapBiomas apontou que o Pantanal foi o bioma que mais sofreu com incêndios nos últimos 40 anos, de modo proporcional à sua área. A região teve 9 milhões de hectares queimados, o que representa 59,2% do território. O levantamento analisou dados de 1985 a 2023.

O bioma equivale a 15 milhões de campos de futebol, sendo dividida pelos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Hectares dos biomas afetados:

Amazônia: 82,7 milhões de hectares

Cerrado: 88,5 milhões de hectares

Caatinga: 11 milhões de hectares

Pantanal: 9 milhões de hectares

Mata Atlântica: 7,5 milhões de hectares

Pampa: 518 mil hectares

Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Mato Grosso registrou 682 focos de calor entre os meses de janeiro a junho de 2024, tendo um aumento de 1155.56% em comparação ao mesmo período do ano passado, que registrou 54 focos.

Nessa segunda-feira (17), o governo do estado lançou a Operação Pantanal 2024, que tenta evitar que o fogo destrua a região como em anos anteriores. Dentre as medidas adotadas pela Operação, está a proibição do uso de fogo para limpeza e manejo em áreas do bioma até o fim do ano.

Nesta semana, mais de 30 organizações assinaram uma carta que foi enviada ao Ibama e aos governos estaduais de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul propondo a busca por um auxílio internacional por meio do Centro de Coordenação de Resposta de Emergência da União Europeia (CCRE) para o enfrentamento da seca e os incêndios florestais que tem atingido a região.

Queimadas em 2020

O Pantanal registrou o maior incêndio no bioma em 2020. Foram 4,5 milhões de hectares queimados e 17 milhões de animais mortos. Várias espécies usaram estratégias para tentar fugir do fogo, mas não conseguiram devido à proporção que as chamas tomaram. Os impactos à fauna e à vegetação foram diversos, como algumas mudanças de comportamento no próprio bioma e a chegada de novas espécies.

Mesmo anos após os incêndios, os pesquisadores constaram que o Pantanal não se recuperou totalmente e que as populações das espécies não voltaram ao tamanho que eram. Pelo contrário, cerca de 75 milhões de animais vertebrados e 4,6 bilhões de invertebrados foram afetados diretamente e indiretamente.

 

O bioma

O Pantanal abriga uma diversidade única, incluindo várias espécies ameaçadas, ao todo são:

3,5 mil espécies de plantas

325 espécies de peixes

53 espécies de anfíbios

98 espécies de répteis

656 espécies de aves

159 tipos de mamíferos

Onça-pintada, jacaré, tuiuiú, ipês, jacarandás e entre outros integrantes representam o Pantanal. Além disso, ele atua como regulador natural de enchentes, porque absorve e armazena água durante períodos chuvosos.

O Pantanal também funciona como um reservatório de água doce com altitudes que alcançam 150 metros. Seus recursos hidrológicos são importantes para o abastecimento das cidades, onde vivem aproximadamente 3 milhões de pessoas, no Brasil, Bolívia e Paraguai.

Comente esta notícia

cd0fb6c3112b42f4ac7db47ed2ff7af9_2.png
whatsapp-icon-4.png (65) 9 9280-9853