Nova Mutum

day_122.png
22 de Junho de 2024
facebook001.png instagram001.png twitter001.png youtube001.png whatsapp001.png

22 de Junho de 2024

GERAL Sexta-feira, 18 de Novembro de 2022, 18:34 - A | A

18 de Novembro de 2022, 18h:34 - A | A

GERAL / REGALIA

Relator, Moraes vota contra prisão especial a quem tem ensino superior

PGR diz que norma do Código Penal fere os princípios de dignidade humana e isonomia

Mariana Durães/Midia News



O ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), votou contra a previsão de prisão especial para quem tem diploma de ensino superior.

 O magistrado é relator da ação protocolada pela PGR (Procuradoria-Geral da República) em 2015, questionando o benefício.

A PGR considera que a norma, prevista no Código de Processo Penal, fere os princípios de dignidade humana e isonomia. Este recurso garante um local diferente dos presos em geral, sem diferenças específicas para celas.

No voto, Moraes concorda que esta previsão é "inconciliável com o preceito fundamental da isonomia". O ministro cita que este tratamento diferenciado permite o cumprimento da prisão cautelar "em melhores condições que os demais presos provisórios", o que fere a "igualdade de direitos" e o "tratamento idêntico pela lei", previstos na Constituição brasileira.

"Apenas o fato de a cela em separado não estar superlotada já é circunstância que, por si só, acarreta melhores condições de recolhimento aos beneficiários desse direito, quando comparadas aos espaços atribuídos à população carcerária no geral - que, como se sabe, consiste em um problema gravíssimo em nosso país, podendo extrapolar em até quatro vezes o número de vagas disponíveis", considera Moraes.

Moraes também ressalta que a norma "não protege uma categoria de pessoas fragilizadas e merecedoras de tutela" e, na verdade, "favorece aqueles que já são favorecidos por sua posição socioeconômica". O ministro também ressaltou que no Brasil o título acadêmico ainda é inacessível para a maioria da população.

Os outros ministros da Corte também devem votar a ação no plenário virtual do STF. Neste caso, não há debates, apenas publicação dos votos. A ministra Cármen Lúcia acompanhou o voto do relator, os demais ainda não votaram.

Comente esta notícia

cd0fb6c3112b42f4ac7db47ed2ff7af9_2.png
whatsapp-icon-4.png (65) 9 9280-9853